Por Lucas Canosa, para o Esporte Guarulhos

ponte grande
Quadra da Ponte Grande passa mais tempo molhada do que seca / Foto: Lucas Canosa – EG

O Esporte Guarulhos já fez três matérias sobre o estado do Ginásio da Ponte Grande, sempre colocando o descaso das autoridades com o local. Na primeira, um especial sobre os 40 anos de inauguração, depois, informando ao leitor que a quadra foi alagada e a rodada da Liga Ponto de Encontro teve que ser interrompida, fato que aconteceu novamente, mesmo após a Secretaria de Esportes alegar que o problema estava resolvido.

Em entrevista ao EG, o secretário Wagner Freitas ao menos foi sincero, disse que não tem dinheiro e que os reparos seriam apenas provisórios, e assim o fez. Agora, outra vez, a quadra alagou depois desse “conserto”. E por que tanta perseguição do nosso site por um telhado? Eis a resposta: a telha é apenas o símbolo de um problema que vai muito além. Vamos enumerar.

Único estádio público disponível em uma cidade com mais de 1 milhão de habitantes, já que o Paschoal Thomeu, também conhecido como “Thomeuzão”, no Bom Clima, não está apto a receber competições esportivas, e, sem laudo do Corpo de Bombeiros, virou alvo de eventos do governo e entidades privadas, o João do Pulo, no Bela Vista, fechado para reforma desde 2013, vai virar uma escola, o CEU e o Fioravante Iervolino, no Centro, foi “doado” para um clube de motoqueiros, o Ginásio da Ponte Grande sofre com a falta de manutenção da sua administradora, a Prefeitura de Guarulhos. Ou seja, senhores, apesar de enorme, Guarulhos não tem um ginásio. Não temos onde jogar, onde treinar…

Placar da Ponte Grande não funciona / Foto: Lucas Canosa - EG
Placar da Ponte Grande não funciona / Foto: Lucas Canosa – EG

E, sinceramente, é preciso falar, se o Corpo de Bombeiros resolve fazer uma vistoria, a Ponte Grande fecha. Não há extintor, não há equipamentos básicos, não há condição. E aquele placar? Tem pelo menos 20 anos, não funciona e o secretário disse que não tem dinheiro para arrumar. Nenhuma federação permite realização de jogos oficiais sem placar. Sem chance, não temos uma quadra pública para realização de algum jogo oficial na cidade, de nenhuma modalidade. Nos resta implorar ao Sindicato dos Metalúrgicos o empréstimo da bela quadra particular, localizada no Primavera.

Saindo do âmbito esportivo, saiba, cidadão, Guarulhos foi ultrapassada por Osasco e hoje nem é a segunda mais rentável do estado, perdendo para São Paulo e para uma cidade com número menor de habitantes. Santos, São José dos Campos, Barueri e Campinas estão encostando também. E os buracos? Vão do teto da Ponte Grande às nossas ruas, completamente tomadas por eles. A Prefeitura não pagou seus fornecedores, assim como andou não pagando água, internet…

E o nosso time multicampeão de handebol? O senhor Elói destruiu, não se sabe pra onde foi. O mesmo aconteceu com todas as outras modalidades. Na época de Thomeu, com todos os defeitos dele, Guarulhos era considerada capital nacional do esporte amador, eu disse NACIONAL, nível Brasil, amigos. Hoje, não temos condições de disputar torneio escolar de igual para igual. Aliás, será que teremos Olimpíadas Escolares em 2016? Em 2015, foi por pouco, hein!?

Flamengo depende do Corinthians (Foto: Ronaldo Barreto/Esporte Guarulhos)
Flamengo depende do Corinthians (Foto: Ronaldo Barreto/Esporte Guarulhos)

Ah…o futebol! Esporte mais amado do país, mas não em Guarulhos. Aqui temos dois clubes, que não chegam perto de disputar a primeira divisão do campeonato estadual, coisa que cidades minúsculas como Itápolis e Monte Azul conseguem, a gente, não. Flamengo e AD Guarulhos sofrem. Um precisa do Corinthians para sobreviver, o outro fez feijoada para angariar fundos e terminou o campeonato sem reservas, com 9 em campo, porque não pagou jogador.

A desculpa de alguns seria: “tiramos do esporte, mas colocamos na saúde, na educação”. Aí eu respondo: Será? Procure conhecer alguma escola ou hospital municipal da cidade e verás que não pode ser verdade.

Wimpro só trabalha com categorias menores (Foto: Ronaldo Barreto/Esporte Guarulhos)
Wimpro só trabalha com categorias menores (Foto: Ronaldo Barreto/Esporte Guarulhos)

Ainda temos a Wimpro, não é? Não, não temos. A Prefeitura cortou a verba da equipe, que acabou com o time principal, restando apenas as menores. Feito isso, Wagner Freitas montou um time para disputar a Liga Paulista de Futsal, mas durou apenas um ano. Por quê?

“Por quê”? É a expressão mais utilizada por nós, para tentar entender o que acontece. Explicação não existe, apenas dúvidas. Ano que vem, Wagner já disse que vai haver novo corte de 60% nas verbas do esporte por parte de Almeida. Corte do quê? Não há investimento nenhum. Cortar 60% de 0, dá 0, fazendo cálculo básico. A falta de porquês nos faz desconfiar muito, a falta de respostas e as autoridades que tanto brincam de se esconder dos cidadãos, voltando apenas em anos eleitorais nos faz questionar novamente: “Por quê”?

simbolo-do-facebook-fcc4d9Facebook: Curtir   

twitter_iconTwitter: Seguir @esporteguaru                                               

Instagram-Fato-simbolo-300x300Instagram: Seguir @esporteguaru

google_plus-01 Google +: Seguir

Anúncios

Um comentário em “Não é só por uma telha; você acabou com o esporte em Guarulhos, Almeida

  1. Busco um lugar para jogar basquete, preferencia lugar que não pague e que não tenha muita “panela”. Tenho 39 anos e procuro por esporte e saúde.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s