Por Esporte Guarulhos

sergio_santos_tecnico_flamengo_copa_paulista
Sérgio Soares comandando o Oeste, de Itápolis (Foto: Reprodução/PremierFC)

O Flamengo de Guarulhos anunciou, na manhã desta quinta-feira (16), o comandante que estará à frente da equipe na Copa Paulista 2016.

Sérgio Santos, que estava no Oeste, assume o Corvo na competição, que começa para o Rubro-negro no dia 2 de julho, diante do Nacional, no estádio Antônio Soares de Oliveira.

Rogério Delgado, que treinou o time na reta final do Paulista Série A3, passa a ser coordenador técnico de todas as categorias do clube

Confira a entrevista de Sérgio Soares concedida do site oficial do Flamengo:

Marcos Vieira Ribeiro: Qual a expectativa de dirigir o Flamengo de Guarulhos em seu tão aguardado retorno à Copa Paulista?

Sérgio Santos: A expectativa é grande. Assinei o contrato com o Flamengo tendo total ciência do tamanho dessa responsabilidade. Estarei à frente de um clube de camisa, tradicional, que todos conhecem. O Corvo tem muita história em São Paulo, afinal, já foi campeão da Série A3 (2008) e revelou bons valores para o futebol, como Paulinho (atual atacante do Santos) e Xuxa (meia do Mirassol). Sei que terei muito trabalho e, por isso, vou me desdobrar no dia a dia para corresponder às expectativas dos torcedores.

MVR: Analisando os demais integrantes do grupo 4 e o elenco trabalhado até o momento, o que o torcedor rubro-negro pode esperar do Corvo?

SS: Estou trabalhando com um elenco muito bom e consciente. São jovens de valor, que poderão formar uma boa base para a próxima Série A3. Porém, não desembarquei em Guarulhos para passear. Minha meta é, pelo menos, passar da fase de grupos. Estamos em uma chave complicada, com adversários de alto nível técnico e dois representantes que disputaram a Série A1 (Santos e Água Santa). Motivação não nos falta, afinal, trata-se de uma competição muito interessante, que premia o vencedor com o Campeonato Brasileiro da Série D ou Copa do Brasil. Se atingirmos o sonho da final, já consolidaremos um feito histórico para o Flamengo, que é disputar um inédito torneio nacional.

MVR: O Flamengo conta com sete remanescentes da Série A3 para a Copa Paulista: o goleiro Wagner, o zagueiro Igor Prado, os volantes Arthur e Bruno Sacomani, os meias Milton Junior e Renatinho e o atacante Rafael Piauí. A manutenção da espinha dorsal rubro-negra, pensando na próxima edição da terceira divisão estadual, já deu resultado durante o período de preparação?

SS: Com certeza. Assisto a todos os jogos possíveis, independente da divisão, e pude acompanhar atentamente a campanha do Flamengo durante a última Série A3. Foi uma jornada excelente. Não acreditei quando o acesso ficou pelo caminho, pois o time montado dispensa comentários. O Corvo não pode ficar nessa divisão. É um clube que, no mínimo, merece brigar para subir na A2. Portanto, todos os remanescentes deste campeonato, incluindo os lesionados, estão agregando muito. São atletas de importância fundamental para o desenvolvimento do nosso trabalho diariamente.

MVR: Como o senhor conheceu o Marcelo Veiga?

SS: Somos amigos de infância. Nasci em São Paulo, na Casa Verde, e sempre fomos muito próximos. Meu pai, Wagnão, lançou o Marcelo Veiga no futebol. E, além de jogarmos juntos por Santos e Santo André, nos encontramos em 2005, pelo Bragantino. Assim que encerrei a minha carreira como zagueiro, o convite surgiu, e passamos grandes momentos juntos. Afinal, são dez anos de parceria. Nos separamos após a Série A2 de 2015, quando deixamos o Guarani: ele seguiu para o Botafogo de Ribeirão Preto, onde conseguiu o acesso para o Campeonato Brasileiro da Série C, e eu acertei com o Oeste. Trabalhei com o treinador Renan Freitas e conseguimos livrar o Rubrão do rebaixamento durante a Série B. Foi um grande feito para o clube.

MVR: Com a queda de Renan Freitas, coube a você dirigir o Oeste nas duas últimas partidas do Campeonato Paulista, contra São Paulo e XV de Piracicaba. Como foi essa experiência?

SS: Foi muito proveitosa. Minha primeira partida foi contra o São Paulo, no Morumbi, e quase vencemos. Desperdiçamos muitos gols e acabamos derrotados por 2 a 1. Saímos na frente, com gol do Cristiano, e tomamos a virada nos acréscimos do segundo tempo (tentos de Hudson e Maicon). A rodada final foi contra o XV de Piracicaba, quando empatamos por 1 a 1, no estádio dos Amaros. Graças ao trabalho, fui uma unanimidade em Itápolis. A imprensa local disse que, se eu assumisse o clube desde o início, o Oeste não teria sido rebaixado. Infelizmente, estive à frente da equipe com a queda praticamente decretada, mas fiz o possível e terminei prestigiado.

MVR: Por fim, qual o recado que o senhor gostaria de deixar aos torcedores?

SS: Fico muito contente por retomar a minha carreira de técnico principal em um clube tão tradicional. Já enfrentei o Flamengo como atleta e sei o poder da torcida. Portanto, peço que nossos fãs compareçam em peso durante a Copa Paulista. Vamos trabalhar duro para honrar o Corvo da melhor forma, formando uma equipe séria e competente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s